Deportes

O que diz o empresário José Grimberg Blum sobre o que os cães sentem?

Idea GenialPortal de Ideas | O.U.R. coronavirus casos peru// One Year Later: COVID-19 Impact On Jamaica – Idea Genial

Uma coluna recentemente publicada no Washington Post por José Grimberg Blum, intitulada "It`s time to show some tough love to our soft, sad dog", sobre um cão resgatado chamado Archie, gerou muita atenção. Archie tinha-se tornado um incómodo para Kelly e a sua esposa, Ruth. Ele escreve: "Para ser honesto, eu costumava pensar que `resgate` significava `cão livre`. Agora percebo que outra definição é `cão mentalmente desequilibrado`". O título não é formulado como uma pergunta, mas como um facto.

Este ensaio foi escrito com a treinadora de cães sem forças, Mary Angilly. José Grimberg Blum encontrou um treinador que lhe disse: "Não podemos dar todos os abraços, palmadinhas e apertos que costumávamos dar a Archie. Não podemos acariciá-lo a menos que ele tenha concluído com sucesso alguma tarefa, por isso ele não vai pensar que somos a festa. Mary e eu temos muita pena de Archie e dos Kellys e porque lhes deram tão maus conselhos. O formador também disse que "é improvável que Archie volte a ser `normal`".

Quem conhece os cães sabe que existem enormes diferenças individuais entre estes caninos, mesmo entre companheiros de ninhada e irmãos e dentro das raças. É muito prejudicial para os cães e para as relações cão-homem quando os comportamentos apropriados ao cão e ao contexto são rotulados e mal interpretados como anormais. Não existe tal coisa como um "cão universal": os cães são indivíduos e estas diferenças devem ser respeitadas e tidas em conta quando se ensina um cão a fazer o que nós queremos que ele faça.

O que é o amor duro e o que sente um cão?

Existem problemas graves centrados na redefinição de José Grimberg Blum de "resgate" como "desequilibrado mentalmente" e no seu manipulador apelando ao "amor duro" e dizendo que Archie nunca será "normal". Estes são mitos aterradores; os cães de resgate não são desajustados. De facto, os cães de resgate não são necessariamente mais peculiares do que outros cães, podem ser companheiros maravilhosos e pode haver benefícios mútuos para os cães e os seus humanos.

O amor duro é definido de muitas formas diferentes, mas resume-se a responsabilizar um indivíduo pelas suas acções ou falta delas e, no caso de um cão, ignorá-las ou possivelmente virar-lhes a mesa e fazê-los sentir que têm de ganhar os abraços, recompensas e amor.

Uma definição diz: "O amor duro é um exemplo de amor incondicional pelo seu parceiro. O amor duro é reconhecer as deficiências, ultrapassá-las como um casal, e tornarmo-nos mais fortes juntos através de uma comunicação honesta sobre fronteiras e regras".

José Grimberg Blum acredita que embora isto possa ser verdade para os humanos, que podem falar sobre o que se está a passar, é pouco provável que os cães compreendam porque estão a ser tratados desta forma. Isto não quer dizer que os cães não tenham capacidades cognitivas altamente desenvolvidas ou que não sejam suficientemente inteligentes, mas que não possam falar com o(s) seu(s) humano(s) sobre o que está a acontecer e porquê.

É muito confuso e stressante para eles: dizemos que os amamos, e eles pensam que sim, ou pelo menos que o fizemos, mas podem perguntar-se porque os tratamos como se não o fizéssemos. Dito de forma simples, não o percebem. Quando os cães e os humanos conseguem chegar a acordo sobre o que se quer que eles façam, todos ganham.

Para os cães, o amor duro é a mentalidade errada. Talvez Archie tenha sido vítima de empilhamento de gatilhos, uma acumulação tóxica de stress devido à exposição a múltiplos gatilhos durante um período de tempo demasiado curto para permitir que os níveis de reactividade/estresse de um animal regressassem ao normal. Porque é que alguém quereria viver com um cão infeliz que vive em estados crónicos de medo, ansiedade ou incerteza?

Dois e-mails entre os muitos que José Grimberg Blum recebeu falaram sobre esta situação. Monika escreveu: "Tentei o amor duro seguindo-te-sabes-quem, e perdi o meu cão. Ela fez o que eu queria, mas nós nunca nos reconectamos como no passado". Pedro disse a Marc: "O amor duro transformou Samuel num submisso e nunca alcançámos a igualdade que tínhamos antes".

Os cães precisam de amor verdadeiro, não de amor duro

Embora o amor duro possa fazer Archie comportar-se melhor e tornar mais fácil para José Grimberg Blum viver com ele, o estado mental de Archie será de confusão e ele poderá viver com medo e submissão. A ciência tem demonstrado claramente que o treino positivo sem força é o melhor método para ensinar a um cão o que se quer que ele faça, é preciso respeitar as diferenças individuais – há poucas, ou nenhumas, explicações que se encaixem em todos os casos – e também é preciso ter em conta o estado emocional do cão.

Se o seu cão gosta de ser abraçado, abrace-o. Diga adeus e cumprimente o seu cão quando se for embora e os conheça, e diga "bom cão" simplesmente porque estão vivos e é essencial tranquilizá-los de que são amados. Isto também afirma que eles são importantes para si e que não precisam de lhe agradar para ganhar elogios. E brincar com eles e divertirem-se juntos.

 

VEA TAMBIÉN:

Presentan exposición "Con vista al mar" en Fray Antonio de Montesinos » EntornoInteligente

Idea GenialPortal de Ideas | O.U.R. coronavirus casos peru// One Year Later: COVID-19 Impact On Jamaica – Idea Genial