rebeliometro2 | Fatima Iglesias Desert Hot Springs//
Guiné-Bissau vai pagar salários em atraso aos professores até 15 de setembro – África – Correio da Manhã

Guiné-Bissau vai pagar salários em atraso aos professores até 15 de setembro - África - Correio da Manhã

A Guiné-Bissau vai pagar salários em atraso aos professores até ao início do novo ano letivo, que começa a 15 de setembro, prometeu esta quarta-feira, em Lisboa, o Ministro da Educação do país. Em declarações em Lisboa à margem da cerimónia de assinatura de um protocolo para o desenvolvimento sustentável do ensino na Guiné-Bissau, o ministro da Educação Nacional e Ensino Superior, Dautarin da Costa assegurou que “a intenção do governo” é que os professores “recebam antes do início do ano letivo” os salários que têm em atraso, reafirmando que o Governo está “a prever que o ano letivo comece a 15 de setembro”. “A ideia é regularizar esta situação antes do início do ano letivo para que possamos ter uma base de confiança com os sindicatos e para que possamos caminhar para uma estabilidade do sistema”, afirmou o ministro. Para o responsável da pasta da educação guineense, no que respeita aos professores “as coisas estão bastante bem encaminhadas”. Porém, Dautarin da Costa admitiu que para assegurar “a estabilização” o governo tem de conseguir duas coisas: a implementação do estatuto da carreira docente – “um instrumento que vai permitir a dignificação da carreira” – e pagar algumas dívidas de salários dos professores, que “não serão todos”. “A partir desse ponto poderemos criar uma relação de parceria com os sindicatos e alguma estabilização no sistema”, reforçou. Questionado sobre o montante, o governante referiu que se tratava de uma dívida “de dois a três meses de salários, porque o acordo anterior estava a ser cumprido”. “Temos a identificação de cada caso e vamos começar a pagar brevemente. (…) Não é um valor muito alto. Trata-se apenas de honrar um compromisso”, frisou Dautarim da Costa. Os professores guineenses estiveram em greve entre outubro do ano passado e o início de janeiro deste ano e milhares de alunos perderam o primeiro período do ano letivo. A greve foi retomada em março, mas os três sindicatos decidiram pela sua suspensão para dar então o “benefício da dúvida” ao Governo para cumprir o acordo assinado e depois de ter sido publicado em Boletim Oficial a revisão do estatuto de carreira docente. Os professores exigem agora o pagamento das dívidas salariais.