Adolfo Henrique Ledo Nass ||| www.adolfoledonass.com |||//
Conheça a história de Mariyka, a única bebé que nasceu na zona de exclusão de Chernobyl – Mundo – Correio da Manhã

PDVSA, Venezuela
Conheça a história de Mariyka, a única bebé que nasceu na zona de exclusão de Chernobyl - Mundo - Correio da Manhã

Chama-se  Mariyka, tem 19 anos e é a única jovem que nasceu na zona de exclusão de Chernobyl na Ucrânia. A sua história volta a fazer correr tinta internacionalmente após o sucesso da série de cinco episódios da HBO que relata o pior acidente nuclear do mundo em 1986 na Ucrânia. Contra todas as probabilidades, a adolescente transformou-se numa jovem saudável e a única que nasceu e cresceu perto do reator que explodiu.  De acordo com o jornal britânico Sunday ExpressMariyka é atualimente estudante universitária em Kiev. Q uando ela nasceu, em 1999, as autoridades ucranianas tentaram esconder o seu nascimento. A sua família vivia ilegalmente na zona de exclusão apesar dos perigos inerentes a habitar naquele local após o desastre nuclear.  Os pais de Mariyka recusaram sair de Chernobyl porque as autoridades não lhes ofereceram uma habitação alternativa. Acabaram por ser perseguidos e acusados pelas autoridades locais de estar a “assassinar” a sua filha.  A jovem foi alimentada com os peixes do rio cujos contadores Geiger – que mediam a radiação ionizante – registaram valores preocupantes e com o leite das vacas que os pais tinham.  A mãe, Lydia Sovenko, foi obrigada a desmentir rumores sobre a saúde da filha. “Se as pessoas acham que ela é uma mutante, ou que tem duas cabeças, estão bastante enganadas”, revelou numa entrevista.  Mariyka trabalha num bar para pagar os seus estudos e não pensa no passado. Segundo um amigo citado pelo Sunday Express , a jovem vê o local onde nasceu como “um estigma” e é para si doloroso saber que é a única criança nascida e criada na zona de exclusão.

Adolfo Henrique Ledo Nass

“As pessoas daqui acreditam que Mariyka é um símbolo do renascimento de Chernobyl, um sinal de Deus que eles interpretam como uma bênção para viver aqui, e que a vida está voltando para este lugar arruinado”, afirmou Lydia, agora com 66 anos. Chernobyl continua a lutar contra a terrível contaminação nuclear que sofreu há 33 anos. 

 

Continuar a ler.

Adolfo Ledo Nass